Coletiva da imprensa III Encontro Mundial Dos Movimentos Populares no Vaticano.

Coletiva da imprensa III Encontro Mundial Dos Movimentos Populares no Vaticano. 2016-10-28T12:32:38+00:00

III ° ENCONTRO MUNDIAL DOS MOVIMENTOS POPULARES NO VATICANO

 Com a presença do monsenhor Silvano Tomasi, do Conselho Pontifício da Justiça e Paz, e Juan Grabois, membro da Comissão Organizadora do encontro, foi feita apresentação do III EMMP 2016.

A mídia internacional participou da coletiva em que as orientações do EMMP foram introduzidas, um evento onde as organizações sociais de todo o mundo vão discutir e gerar propostas para uma solução à crise internacional com foco em três eixos principais: Terra, Teto e Trabalho.

Na roda, Juan Grabois e Monsenhor Tomasi, compartilharam as intenções e os objetivos da EMMP.

“O Papa fala de um sistema político que integre a os excluídos, como indica o Laudato si. Francisco carrega com a mesma sensibilidade hoje do que quando transitam nas favelas de Buenos Aires “, afirmou Tomasi referindo-se à iniciativa do Papa Francis aos movimentos populares de excluídos e excluídas.

Ele acrescentou: “O Papa quer sensibilizar o publico sobre aqueles que habitam a periferia da sociedade”, em referência à doutrina social da Igreja.

Por sua parte, Juan Grabois da Comissão Organizadora do EMMP, referiu-se as características da terceira edição. “Esta já é a terceira reunião e se seguir a metodologia tradicional, diríamos que o primeiro teve o desafio de conhecer a nossa realidade (enxergar), no segundo de discernir o que está acontecendo (julgar) e no terceiro, pensar propostas para a mudança (atuar). “

Também fez referência ao papel do Papa, “Francisco colocar nos olhos do mundo uma realidade silenciada: há um grande número de organizações, grandes e pequenas, que são integradas, organizadas e lideradas pelos excluídos que não se resignam à miséria imposta a eles e resistem desde a solidariedade ao paradigma tecnocrático atual “...” os pobres não devem ser objeto de políticas sociais que são projetados sem a sua participação, mas principais atores no processo de mudança que permite o retorno dos sagrados direitos à terra, teto e trabalho “

O EMMP termina em 5 de novembro, quando os movimentos sociais e o Papa Francisco se reunirão para dialogar com base nas discussões das instâncias anteriores.