Representantes de movimentos populares em todo o mundo começam seu trabalho para chegar a acordo sobre um plano de ação a ser apresentado ao Papa Francisco

Representantes de movimentos populares em todo o mundo começam seu trabalho para chegar a acordo sobre um plano de ação a ser apresentado ao Papa Francisco 2016-11-02T17:23:10+00:00

Roma, 02 de novembro de 2016

Representantes de movimentos populares em todo o mundo começam seu trabalho para chegar a acordo sobre um plano de ação a ser apresentado ao Papa Francisco.

foto-com-dia-1

200 delegados de organizações de base de todo o mundo assistem a abertura do Terceiro Encontro Mundial de Movimentos Populares.

Na cerimônia de abertura intervieram, para acolher e colocar os objetivos da reunião, os membros da comissão organizadora do EMMP: Cardeal Peter Turkson do Conselho Pontifício Justiça e Paz (Vaticano); João Pedro Stedile, do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) – La Via Campesina (Brasil); Juan Grabois, do Movimento dos Trabalhadores Excluídos (MTE) – Confederação da Economia Popular (TCPA) (Argentina); Jockin Arputham, da Dwellers Federação da India – Slum Dwellers International (SDI) (Índia) e Charo Castelló, Hermandad Obrera Ação Católica (HOAC) – Movimento Mundial dos Trabalhadores Cristãos (MMTC) (Espanha).

A comissão organizadora declarou no decurso das intervenções nos nós centrais das discussões, que enquadram os eixos do encontro Terra, Teto e Trabalho, juntamente com as as palestras de Povo e Democracia; Território e Natureza; e dos Refugiados e Deslocados. Todas estas realidades e preocupações serão analisadas, debatidas e sintetizadas em um plano de ação a ser apresentado em 05 de novembro Papa Francisco.

O Cardeal Turkson, em seu discurso, recordou as palavras do Papa Francisco na encíclica Laudato si ‘, notando que a exclusão social é determinada por dois fatores, sociais e ambientais, que expressa como dois lados da mesma moeda. “Nesta reunião, -aponta Turkson- os convidamos a discutir para ver como podemos mudar as coisas; não é ser apenas de ser agentes de mudança para o exterior, mas também ao interior”. Acrescentando que “não somos candidatos a trabalho, nos somos criadores de trabalho. Quando falamos de trabalho, telhado, a terra, da democracia; o ponto de partida é sempre as pessoas reais com seus problemas reais. Para além das estatísticas, são pessoas específicas. “ Portanto,  o cardeal em seu discurso diz que “vamos discutir quais as mudanças que precisamos, e a igreja e movimentos populares vamos trabalhar juntos para promover as mudanças mais profundas que a nossa sociedade necessita.”

Enquanto isso, Charo Castelló, destacou a trajetória do encontro desde o início: “Na primeira reunião que encontramos a tarefa de tirar um instantâneo do que era a realidade de milhões de pessoas nas 3 dimensões da reunião, terra, telhao e trabalho. Na segunda assumimos os compromissos debatidos na carta de Santa Cruz de la Sierra. Neste terceiro encontro, novamente em Roma, queremos dar um passo adiante, estamos no momento de agir, de fazer. Analisamos as mais diversas realidades, identificamos seus principais problemas, hoje temos que pensar como implementar políticas que têm como objetivo final o verdadeiro bem-estar das pessoas “.

Da mesma forma, João Pedro Stedile, em seu discurso observou que “temos um capitalismo que expressa o atraso, a exploração, a expulsão (…) o planeta está sendo atacado pelo capital, que se apropriou da natureza, privando dessa a os seres humanos.” Acresentou para os delegados e delegados a “discutir novas formas de política popular. O sistema democrático burguês da Revolução Francesa não funciona mais. As pessoas já não conseguir exercer o seu capital político por meio do voto. Mais do que nunca precisamos seguir o debate e formular propostas alternativas para os problemas que a humanidade enfrenta “

A seguir,  Jockin Arputham interveio para sublinhar a importância do plano de ação que pretende realizar este Terceiro Encontro, “falar menos e fazer mais. Ouvimos tempo as palavras do papa, mas temos que trabalhar .” Ele se referiu à necessidade de começar a tomar medidas concretas em relação aos problemas já foram analisadas e postos em discussão em reuniões anteriores.

Juan Grabois concluiu o painel de abertura com a observação de que nesse terceiro encontro “tem a ver com a ação. Seguindo o método da Doutrina Social da Igreja, na primeira reunião foi para ver, saber; no segundo julgamos, nós concordamos o diagnóstico e assumimos compromissos entre os mais de mil organizações que participaram. Hoje, temos que agir. (…) Para construir a força dos movimentos populares, precisamos de cinco princípios :. Unidade, da consciência da Organização, alto espírito e ação “

Encontro Agenda para 03 de novembro

Análise do painel, o diálogo Oficina e partilha de eixo “Território e Natureza”.

No final do dia vai ser emitido para a mídia um comunicado.

foto-com-dia-1